Letras de Marcelo Oliveira - Pra os Olhos De Quem Madruga | BUMBABlog

Letras


Letras de Pra Os Olhos De Quem Madruga de Marcelo Oliveira

Más letras de Marcelo Oliveira



Mangrulhando o breu da noite
Já está no posto a boeira
Velando o sono da pampa
Na parceria campeira
Choram sangas e banhados
Contraponteados por grilos
Num repetido estribilho
Que a madrugada acalanta

A lua prateia o campo
S’enxergando nas aguadas
E uma estrela desgarrada
Alumbra a frente da estância
Na invernada e nos potreiros
Uma canção costumeira,
Da serenata campeira
Adormecendo distâncias

O galpão dorme tranqüilo
Sobre o catre da coxilha,
Um pai de fogo em vigília,
Campeia o calor das brasas
Ancorada sobre as cinzas
A cambona mira vazia,
A cuia, que ronda o dia,
Guardando o gosto das casas

Os ponchos de alma vermelha
E as asas pingando água
Desaguaxam suas mágoas
Debruçados nos esteios,
A cuscada ressonando
Sobre as rodilhas do laço
E os cavaletes encilhados
Oreiam o suor dos arreios

E a lida vem madrugando
Sangrando o peito dos galos
Que ensaiam o primeiro canto,
Alertando os pirilampos
Que o sol já calçou esporas
E vem atrás do horizonte
Trazendo o dia em reponte
Pelos encontros da aurora

Somente os que sorvem estrelas
Cevada em cuias morenas
Se afinam nas cantilenas
Dessas auroras brazinas
Pois só os madrugadores
Que esperam o sol, estrivados
Trazem esse quadro guardado
No memorial das retinas
Marcelo Oliveira Pra os Olhos De Quem Madruga 24590 1208400

Comentarios