Letras de Marcelo Oliveira - Quando o junho se entona | BUMBABlog

Letras


Letras de Quando O Junho Se Entona de Marcelo Oliveira

Más letras de Marcelo Oliveira



Uma tropa de peso, no potreiro se alvoroça
Na poça d’água esconde a marca dos cascos
O tropeiro encilha, pra ganhar as distâncias
Em seu trono de arreio, já antigo e gasto

Léguas de campo até chegar ao destino
Contraponteando simples sonhos pequenos
Rugas no rosto, tantas chuvas no lombo
Vários invernos, parceriando serenos

O tempo indelével cobra dele o preço
Não perdoa, nem concessões ele faz
O pealo da morte, um dia virá certeiro
Trazendo ao tropeiro, talvez sua paz

Por isso é que canto o valor desse homem
Que consome a vida, levando o gado alheio
Enquanto a amada o espera no rancho
Repleto de sonhos que partiram-se ao meio

A saudade acaba, nos olhos claros da linda
Ao ver um semblante cansado de lonjuras
Um quero-quero sentinela, anuncia a chegada
E nos braços da amada, o peão refaz sua figura

A volta foi longa, porém bem mais ligeira
Na ânsia tropeira de matar saudades da dona
E marcada na estrada pelas patas do baio
Num final de maio, quando o junho se entona
Marcelo Oliveira Quando o junho se entona 24590 1208401

Comentarios